Dolár Comercial : --
Soja (CBOT) : --
Milho (B3) : --
Algodão (NY) : --
Prêmio Soja Paranaguá : --
Prêmio Milho Santos : --
Petróleo : --
Milho ESALQ : --
Soja Paranaguá : --
Milho Santos : --

MERCADOS NA ÁSIA: Margens na China estão terríveis. Mais casos de ASF

Por: Equipe Agrinvest
Artigo, Grãos
Publicado em: 29/04/2021 07:43

Icone Icone Icone Icone

Acompanhe os Destaques da madrugada dessa 5ª-feira:


① MARGENS NA CHINA ESTÃO PÉSSIMAS

Margens: As margens de esmagamento a partir da soja importada na China estão péssimas, tanto do Brasil como também dos EUA. A combinação da alta da soja na CBOT e baixa demanda interna por farelo de soja prejudica muito as margens de processamento locais, limitando a demanda por novas compras para embarques mais curtos no Brasil e mais longos nos EUA.

Por aqui os prêmios da soja continuam sob forte pressão. Ontem os prêmios para embarque maio foram negociados a -30 centavos por bushel em relação ao contrato maio na CBOT, menor nível em mais de 7 anos. Traders comentam que a demanda da China está mais quente somente para safra 2022, período em que as margens estão melhores.

Além disso, a maior utilização de cereais com teor de proteína maior em relação ao milho tem derrubado o uso de farelo nas rações.

Demanda: A China continua muito ativa na compra de trigo e outros cereais, buscando assim a substituição do milho e farelo de soja em seu mercado. Corretores de trigo na França comentam sobre grandes compras de trigo por parte da China para embarque a partir de agosto. O volume pode variar entre 10 a 15 barcos (panamax) de trigo, puxando as cotações do trigo na Euronext para máximas de 8 anos na manhã da 3ª-feira.

O trigo importado vem sendo utilizado nas rações, produto que chegará na China com desconto de até 20% em relação ao milho, reduzindo o uso do cereal, mas também o uso de farelo de soja.

Substituição: A substituição do uso de milho por trigo e cevada nas rações, cereais que possuem teor de proteína maior, está reduzindo por tabela o uso de farelo de soja, prejudicando a demanda interna pelo derivado da soja. O trigo está sendo negociado com desconto de 10% a 15% em relação ao preço do milho nas principais praças consumidoras chinesas. O governo chinês divulgou uma série de recomendações e novos padrões de uso e substituição de milho e farelo por ingredientes substitutos para as principais regiões consumidoras.

  • FARELO (Dalian) -38 @ 3587 CNY/ton;
  • ÓLEO DE SOJA (Dalian) -26 @ 8506 CNY/ton;
  • MILHO (Dalian) -7 @ 2751 CNY/ton;

Saiba mais sobre a baixa demanda na China por farelo em AGROCHINA: As vendas de farelo voltaram a cair 


② NOVOS CASOS DE ASF NA CHINA

Autoridades chinesas confirmaram mais um caso de ASF (peste suína Africana), somando 10 casos nesse ano. Por outro lado, as autoridades reconhecem que muitos casos vêm sendo abafados.

As autoridades chinesas também reconhecem que a produção de carne caiu muito nesse início de ano, afetando o suprimento nacional. Segundo consultorias, a população de matrizes teria voltado a cair 20% em relação ao pico de dezembro passado, afetando assim a demanda interna por rações.

Saiba mais sobre a queda na produção de carne em TOUR DA SEMANA 26/Abr 


③ CLIMA BENÉFICO NOS EUA E IMPORTAÇÃO DE SOJA DERRUBAM AS COTAÇÕES

Futuros dos grãos na CBOT recuaram forte nessa 4ª-feira após renovar máximas de mais de 8 anos na manhã da 3ª-feira. As temperaturas nos EUA deverão se elevar gradualmente segundo os modelos, o que deverá dar mais velocidade ao plantio e também à germinação das plantas. Além disso, modelos mostram chuvas e boa cobertura para as principais regiões produtoras de algodão, milho, soja e trigo.

Saiba mais sobre o progresso do plantio em USDA: PROGRESSO DE PLANTIO 

Fundos foram vendedores de todos os produtos nessa 4ª-feira. Já na América do Sul o clima segue seco e chuvas mal distribuídas durante o final de semana, colocando assim ainda mais pressão sobre a produtividade do milho safrinha – o Brasil disputa o 2º lugar no ranking global de exportação de milho junto à Argentina e Ucrânia.

Demanda: Além do clima mais benéfico, a demanda por soja e milho não está nada boa. Mercados na Ásia continuam substituindo o milho caro por trigo e outros cereais mais baratos, reduzindo assim o espaço do cereal. A Argentina está tendo dificuldade em encontrar demanda por milho, jogando os prêmios do milho no porto de Rosário para níveis historicamente baixos. A demanda por soja por parte da China também está muito fraca, fruto das margens péssimas. A soja cara e a baixa demanda interna por farelo explicam as margens negativas em torno de $20 por tonelada para a soja brasileira de maio a agosto e de $5 a $15 de margem negativa a partir da soja americana para embarques de setembro a dezembro.

  • ALGODÃO +0,08 @ 86,00 ¢/lb
  • MILHO +7,75 @ 694,00 ¢/bu
  • SOJA +8,75 @ 1566,50 ¢/bu

Saiba mais sobre o clima em VÍDEO do clima 27/Abr 


④ OS PREÇOS ALTOS ESTÃO FAZENDO SEU TRABALHO

Os preços altos estão fazendo seu trabalho, incentivando o deslocamento da demanda e aumento da área global de oleaginosas e cereais:

  • Canadá: Intenção de plantio aponta para aumento de área de canola e cevada;
  • EUA: Comentário do CEO da ADM acena para expectativa de revisão para cima na área de milho e soja nos EUA;
  • Importações: Os altos preços estão incentivando a importação de milho e soja por parte dos EUA. Já foram confirmados de três barcos de soja do Brasil e 200 mil toneladas de milho da Argentina;
  • Substituição: Mercados na Ásia têm dado preferência ao trigo do Leste Europeu e Austrália nas rações, reduzindo o uso do milho;

Saiba mais sobre o papel dos preços altos em ALERTA: Preços altos fazendo seu trabalho - Atualização 


⑤ VIABILIDADE DA SOJA IMPORTADA

Atualmente há uma discrepância muito grande entre os preços da soja e do óleo de soja no mercado interno americano e a soja e óleo na América do Sul.

Consumidores estão comprados nos contratos MAIO do óleo, milho e soja, buscando o recebimento do produto em armazéns credenciados pela Bolsa, reforçando o sentimento de falta de produto no mercado disponível americano.

No entanto, a soja no Brasil continua caindo (prêmios), abrindo espaço para arbitragem. Atualmente a soja é ofertada nos portos do norte do Brasil a -10N (-10 centavos por bushel em relação ao contrato julho na CBOT), soja que daria uma boa margem de esmagamento para indústrias americanas localizadas na costa do Atlântico.

Em março foi confirmada a venda de 03 barcos para os EUA, volume que deverá crescer mais.

Saiba mais sobre esses cálculos em UTR NEWS: O que os contratos com vencimento Maio na CBOT querem nos dizer 


⑥ MERCADO INTERNACIONAL DO MILHO

Grandes importadores de milho na Ásia continuam substituindo milho por trigo. China, Corea do Sul e Vietnam (26% das importações globais de milho) estão comprando trigo australiano e da região do Mar Negro para embarques mais longos (de outubro a dezembro). Os preços são ofertados com descontos de $15 a $20 por tonelada em relação ao milho para embarques até julho.

Na semana passada o USDA divulgou seus números de vendas semanais, trazendo vendas frustrantes de milho para ambas as temporadas, confirmando que o milho está muito caro. Consumidores estão buscando alternativas mais baratas em relação ao milho.

Saiba mais sobre as vendas semanais em USDA: Vendas semanais fracas para o milho 

Saiba mais sobre essa dinâmica emCORN ROUND 


⑦ DÓLAR FRACO

O BC americano mais uma vez acalmou os mercados, prometendo total apoio à economia americana, afastando assim qualquer possibilidade de início da retirada dos estímulos em um futuro próximo. Como resultado, investidores continuam firmes na compra de commodities e demais ativos de risco.

A queda do dólar tem ajudado novamente as commodities no mercado internacional, impulsionando dinheiro novo para os grãos e outras matérias primas. A posição comprada dos fundos no milho está próxima do recorde histórico em 428 mil contratos.

  • IDX +0,10% @ 90,65
  • COMMODITIES +0,60% @ 90,70

Saiba mais sobre a posição dos fundos em FUNDOS: Posição comprada no milho se aproxima do recorde 

Saiba mais sobre a influência do dinheiro barato nas commodities em GRÁFICO DO DIA 27/Abr 


⑧ MILHO B3

Futuros do milho na B3 recuaram nessa 4ª-feira, acompanhando a queda do câmbio e também dos futuros na CBOT. No entanto, o mercado físico brasileiro não mudou, continua vazio de ofertas.

As chuvas durante esse final de semana forma novamente mal distribuídas, principalmente no Paraná, 2º maior produtor nacional. Além disso, as previsões continuam mostrando poucas chuvas para a maior parte das regiões produtoras do cereal.

Saiba mais sobre o clima em VÍDEO do clima 27/Abr 

A falta de chuvas está afastando o produtor da venda, deixando o mercado sem liquidez. Consumidores de milho no Brasil estão se virando como podem, tentando substituir o milho por outros cereais, ou mesmo importando do Paraguai ou Argentina.

No entanto, a forte alta dos futuros do milho na CBOT tem elevado a PPI (preço de paridade de importação), dificultando o fechamento de novos negócios. Muitas indústrias no Sul do Brasil estudam a importação de milho da Argentina para maio e junho, tendo em vista os preços elevados e falta de ofertas no mercado interno.

O Presidente da Cargill no Brasil comentou sobre a possibilidade cada vez maior de reversão de lotes da exportação para o mercado interno, movimento que deverá trazer mais oferta para o mercado brasileiro.

Saiba mais sobre a paridade de importação em COMBO: PPI e PPE do milho no Brasil

Saiba mais sobre a reversão de lotes em CORN ROUND: Presidente da Cargill no Brasil fala sobre reversão de lotes de milho 

  • ESALQ +0,38 @ 99,25 R$/saca

Conteúdo: soja, milho
Não há comentários para exibir