Dolár Comercial : --
Soja (CBOT) : --
Milho (B3) : --
Algodão (NY) : --
Prêmio Soja Paranaguá : --
Prêmio Milho Santos : --
Petróleo : --
Milho ESALQ : --
Soja Paranaguá : --
Milho Santos : --

🗒 NOTA 1: Boletim Focus: Projeções no Brasil pioram significativamente

Publicado dia: 13/09/2021 09:20

Icone Icone Icone Icone

Divulgado há pouco pelo Banco Central, o boletim Focus, que traz um compilado das projeções macroeconômicas do Brasil feita pelas principais instituições financeiras do país, registrou piora significativa nas estimativas para inflação, PIB e taxa de juros no país.

Refletindo o resultado acima do esperado para o IPCA de agosto, os analistas revisaram para cima suas estimativas de inflação para esse ano e ano que vem. Para 2021 a expectativa para o IPCA passou de 7,76% para 8,20% e para 2022 de 3,98% para 4,03%. Ademais, reajuste da tarifa de energia elétrica na semana retrasada também contribuiu para essa piora nas projeções.

E com inflação mais alta, a projeção para Selic ao fim desse ano também foi elevada, passando de 7,63% na semana retrasada para 8% na semana passada. Já para 2022 foi elevada de 7,75% para 8%. E como já há instituições projetando 9,25% até o final desse ano. Ou seja, 8% deve ser visto como piso das expectativas.

E o combo de inflação e juros mais altos, só poderia terminar numa estimativa de crescimento do PIB menor. Para esse ano, passou de 5,15% pra 5,04%. Já para ano que vem, passou de 1,93% para 1,72%. Há quatro meses atrás a estimativa para 2022 era de 2,5%, sinalizando como a piora da inflação e expectativa de mais aperto monetário comprometem o desempenho do PIB no país.

Portanto, com inflação em disparada e sem sinais de arrefecimento, a tendência é o mercado seguir elevando suas projeções de Selic e reduzindo para o PIB. E as tensões políticas em Brasília só ajudam a agravar esse quadro, uma vez que impede o dólar de se desvalorizar no país.

 A queda do preço da moeda norte-americana seria positivo para arrefecer a inflação, em especial, para alimentos e combustíveis, que são itens de grande pressão atualmente sobre o bolso do brasileiro.


ABAIXO A EVOLUÇÃO DAS ESTIMATIVAS AO LONGO DO ANO


Comentários

tiago

FCB tuvyfgxtcxx vc s vc MB vc v um